Apresentação

Apresentação



IV BIENAL DE PSICANÁLISE E CULTURA
SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICANÁLISE DE RIBEIRÃO PRETO – SBPRP
19 A 21 DE MAIO DE 2016
CENTRO DE CONVENÇÕES DE RIBEIRÃO PRETO



Teste!





Esta IV Bienal de Psicanálise e Cultura, cujo tema é “Psicanálise e Tecnologia”, remete-nos, logo de início, ao nosso primeiro Encontro Bienal: Alma, estás aí? (Kristeva, J. 2002), realizado em 2008. Naquela ocasião já nos ocupávamos do Homem em Sociedade, preocupavamo-nos com os destinos do Ser, com as transformações galopantes vividas pela Humanidade naquele início de século. 

De certa forma, voltamos agora às vizinhanças da Alma, senão a seu âmago; voltamos às vicissitudes do Ser Humano nesta travessia da vida, desta vez com o foco nos Diálogos Possíveis entre a Psicanálise - palco e trama das questões psíquicas - e a Tecnologia, instrumentalização à serviço dos desenvolvimentos científicos, descobertas e expansões inquestionáveis dos Homens.  

Nesse amplo território de inquietações e incertezas sobre o nosso  destino neste mundo, vamos fazer uma pausa: três dias apenas. 

Serão mesas redondas, conferências e cursos voltados para o diálogo entre várias áreas de Humanidades, Psicanálise e a Tecnologia. Mas o convite é para que sejam dias de refletir e aprender, ouvir e dizer, pensar e sonhar juntos. Junto a convidados notáveis das ciências e humanidades que trarão para nós seus envolvimentos e desenvolvimentos, seu conhecimento e reflexão, em um ambiente onde se propõe reunir pensadores e acadêmicos, artistas e escritores, filósofos e psicanalistas, estudantes e profissionais de diversos segmentos para uma conversa sobre as coisas desta vida, cada vez mais cheia de abreviaturas e nomes esquisitos, estrangeiros... cada vez mais cheia de dedos  prá lá e  prá cá, cada vez mais cheia de instantaneidade e rapidez, de imagens externas e proximidades, companhias e distanciamentos.

 Tudo isso a compor o caldo de uma existência que caminha para onde? Seremos máquinas, no futuro? As máquinas nos controlarão em uma inversão de comando preconizada por Kubrick em “2001, uma odisséia no espaço?” Nossas mentes se esvaziarão de conteúdos e sonhos, pensamentos e lembranças, que serão locados, talvez, em um ambiente digital próprio para locação de Alma? Como nos preparamos para o uso fértil e criativo, benéfico e positivo da Tecnologia? E, principalmente: como a Psicanálise pode contribuir de forma a utilizar seu vasto conhecimento teórico e sua inesgotável fonte de experiências - a clínica-, para colaborar com a elaboração das angústias humanas e para a construção de um destino menos sombrio?

 Vamos então conversar: retomando, à viva voz e presença viva, o contato dos olhos, a melodia da voz, o calor da pele... Vamos nos reunir nesta IV Bienal para aprender sobre os diálogos possíveis entre a mente e sua subjetividade, e a máquina e seus desdobramentos. 

Queremos e devemos acreditar que os diálogos são possíveis e nos sustentarão diante da inquietante pergunta que Julia Kristeva, em “As novas doenças da Alma” (2002) nos apresenta: “Não é fabuloso que alguém se satisfaça com uma pílula e uma tela?”

Silvana Vassimon
Diretora Científica da SBPRP 
Coordenadora Geral da IV Bienal